terça-feira, 3 de agosto de 2010

A verruga é uma bruxa má!

Sabe aquela “verruguinha inocente” que o seu cão ou gato passa a ter depois de uma certa idade? A gente se acostuma com elas e vai se apegando. Tem gente que dá até nome...

Mas fique sabendo que elas são bruxas disfarçadas e de inocentes não têm nada! Uma verruga na verdade é um tumor de pele, que pode ser benigno ou maligno, de acordo com a sua capacidade de se espalhar pelo corpo do animal. Quanto mais tempo passarmos dizendo que os tumores cutâneos são verrugas inofensivas, mais estaremos encobrindo um problema que muitas vezes pode vir a causar sofrimento ao animal.

Para melhor entender o risco causado pela "pobrezinha da verruga que já está lá há tanto tempo sem incomodar ninguém", saiba que todo tumor, ou neoplasia, de pele é feito de células “defeituosas” que não param de se multiplicar como as células normais fazem. E com o passar do tempo, maiores as chances de uma ou mais dessas células defeituosas se soltar e resolver "passear" pelo corpo, fixando-se em outros locais que não a pele e causando as chamadas metástases, que tornam o tratamento muito mais complicado e às vezes até impossível.

Se você ainda não ficou assustado, meu objetivo ainda não foi cumprido e sugiro sinceramente que você continue lendo a respeito, até ficar ao menos preocupado o suficiente para procurar por esses nódulos de vez em quando em seu animal. Vale aproveitar o cafuné de todo dia, aquele carinho na barriga enquanto a gente assiste TV, ou aproveitar o momento do banho ou escovação para prestar atenção nessas alterações, que às vezes são bem pequenas, mas nem por isso menos perigosas. Cada centímetro de tumor possui em seu interior milhares de células!

Fique sempre atento e ao notar qualquer aumento de volume na pele do seu cão ou gato, que persista por mais de três meses, não deixe de avisar a um médico veterinário para que ele oriente a melhor estratégia de tratamento de acordo com o caso.


Se você se interessou por este assunto, leia também sobre criocirurgia e citologia aspirativa.